Sábado, 27 de Outubro de 2007

Porque será?

Veio esta semana a publico que Castro Verde não teve direito a verbas de PIDDAC para 2008.

 

A serem verdade os boatos que correm pela capital e algumas noticias que foram saindo é preocupante o facto do concelho de Castro Verde "não ter um cêntimo que seja de investimento" no PIDDAC previsto para o distrito de Beja em 2008.

 

Isto é tanto mais preocupante, quanto se sabe que as populações deste concelho têm necessidades concretas de obras da responsabilidade do Governo, como sejam um quartel da GNR.

 

Apesar de no distrito estarem previstos cerca de 100 milhões de euros de investimento em sede de PIDDAC para 2008 o concelho de Castro Verde foi aparentemente esquecido, se esta situação se verificar, é no mínimo  vergonhosa e revela a consideração que o poder central tem pelo concelho.

 

Esta situação caso se verifique é indigna para todos os Castrenses que pagam  escrupulosamente os seus impostos.

 

 

 

publicado por castromaisverde às 20:01
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007

Filme sobre Cante Alentejano em preparação

O realizador Francisco Manso está a trabalhar num filme sobre o
cante alentejano, segundo avançou, ao Diário do Sul, o presidente da Região de Turismo Planície Dourada (RTPD), Vítor Silva.

Intitulado 'Canto a Vozes', a película poderá constituir um elemento importante na candidatura do cante alentejano a Património Imaterial da UNESCO. Trata-se de um filme documental que terá a duração de cerca de 60 minutos e será exibido nos circuitos internacionais.

Ainda de acordo com Vítor Silva, a proposta para a realização do filme partiu do próprio realizador “há mais de um ano”, tendo sido necessário
encontrar meios para o produzir. Parte do financiamento é de um produtor francês que ficará com os direitos do documentário
para os mercados francófonos.

A Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, deu luz verde para o projecto no âmbito de um conjunto de iniciativas destinadas a “preservar e salvaguardar” o cante e a música tradicional do Alentejo.

 

Noticia retirada do site : http://www.alentejo-terramae.pt

publicado por castromaisverde às 23:06
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

Medição do desempenho nos serviços públicos.

Cada vez faz mais sentido a medição de desempenho nos serviços públicos, hoje o dinheiro que nos é retirado nos impostos é considerado como o pagamento de um conjunto de serviços que teoricamente nos é colocado á disposição.

 

 A medição do desempenho é um assunto bastante complexo, pois a maior parte das organizações utilizam variadas métricas com os mais díspares objectivos, não se apoiando em terminologias e abordagens consistentes, e não estão preparadas ou não têm capacidade para analisar aspectos que, de facto, possam contribuir para uma efectiva medição do seu desempenho.

 

 É preciso tomar consciência, tão rapidamente quanto possível, do desempenho da organização, do nivel de serviço que se presta, por forma a que possam ser tomadas as melhores decisões, procurando-se evitar ao máximo o consumo (desperdício) de recursos escassos e valiosos.

 

Assim sendo, todas as organizações devem preparar-se para efectuar sucessivas e sistemáticas medições ao seu desempenho. No entanto não é um processo fácil de implementar, pois deve ser construído com a colaboração de todos, apoiado pelos vários níveis de gestão e ser claro e oferecer benefícios tangíveis a cada colaborador.

 

A sua implementação exige o estabelecimento de métricas que permitam avaliar o estado de cada iniciativa (projecto), e que potencializado a tomada rápida de decisões.

 

 Para analisar o desempenho de um serviço á que definir objectivos e criar métricas que sejam de facial compreensão e de fácil utilização.

Por exemplo:

Quantos dias leva um projecto a aprovar .

Qual foi a percentagem de sucesso de uma determinada iniciativa

Qual é o desperdício de agua em % do consumo.

Quantas pessoas foram atendidas com sucesso num serviço

Qual o tempo médio de espera por um despacho .

 

 À que medir e divulgar as coisas que afectem a vida das pessoas, definir objectivos criar métricas e indicadores só por criar é uma manifesta perca de tempo.

 

Hoje, a sobrevivência de qualquer organização está totalmente dependente da sua capacidade para efectuar medições sucessivas e efectivas do seu desempenho. Se não o fizer, não será flexível, não se adaptará à mudança constante, definhando e decaindo rapidamente.

 

 O dinheiro de todos nós deve ser aplicado com rigor hoje exigem-se serviços com grande profissionalismo e qualidade logo a implementação e a divulgação de métricas é um excelente instrumento mostrando a todos a eficiências dos serviços.

 Serviços eficientes serão seguramente um orgulho para todos os que neles participam.

publicado por castromaisverde às 22:23
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Domingo, 21 de Outubro de 2007

Mais uma feira

Mais uma feira,

Para a historia aqui fica o registo de mais uma feira.

A animação voltou á s ruas de Castro Verde, com mais uma edição desta feira centenária , provavelmente esta foi a mais bem arrumada dos últimos vinte anos.

 

Os feirantes convencionais, os que se encontram, em Carcavelos, no Feijó em Azeitão e em mais uma serie de feiras e mercados da região de Lisboa rumaram até Castro Verde para venderem os seus produtos Made in China.

 

Os Algarvios subiram ao Alentejo com os figos e as amêndoas , os vendedores de feijão e chicharos escassearam .

 

Os carrosséis lá estavam no sitio dos costume para a delicia das crianças, os meus miúdos não dispensaram umas voltinhas nos barquinhos e nos carrinhos que davam volta após volta sempre atrás um dos outros, eles bem reclamaram que aquilo sem umas ultrapassagens não ia lá...

 

A língua azul provavelmente tirou os amimais da feira, logo este ano que iam voltar ao local de origem.

 

Este foi um dos fins de semanas mais quentes de Outubro dos últimos anos, coitados dos vendedores de chapéus ficaram á seca.

 

Assim foi mais uma tranquila feira de Castro, com muita animação mas com pouco negocio porque as carteiras andam vazia.

 

Para o ano lá espero voltar.......

publicado por castromaisverde às 22:18
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Outubro de 2007

Câmara de Castro Verde avalia pólo tecnológico

Retirado da Edição on line do Coreio do Alentejo.

http://www.correioalentejo.com/index.php?diaria=1138

 

 Câmara de Castro Verde avalia pólo tecnológico

 

A Câmara Municipal de Castro Verde anunciou ontem que vai celebrar um protocolo de colaboração com o Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-alimentar do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral (CEBAL). A autarquia explica que o objectivo deste acordo é o acompanhamento da implementação do Pólo Tecnológico da Cavandela “de forma a assegurar durante o processo os interesses da região, do concelho e da autarquia”. Projectado para aquele concelho, numa terreno situado entre a vila de castro verde e o nó da auto-estrada do Sul, o empreendimento turístico da Cavandela prevê a criação de um parque tecnológico onde, divulgou esta semana a Câmara Municipal de castro verde, se destaca a instalação de um centro de desenvolvimento de tecnologias e biotecnologias agro-alimentares e ambientais. A autarquia já anunciou que pretende dar a este projecto “uma atenção especial” e, nesse enquadramento, rubricou o acordo com o CEPAL. Refira-se que esta entidade, criada em Beja, desenvolve investigação e consultoria em Biotecnologia e colabora com entidades públicas. E na óptica da Câmara de castro verde, “tem as condições técnico-científicas e os recursos humanos necessários e adequados” para auxiliar a autarquia a tomar as melhores decisões na implementação do referido pólo tecnológico.

 

Espero francamente que não fique como ideia apenas no papel....

 

Os proximos anos são decisivos para o desenvolvimento da nossa região.

 

Este fim de semana temos a feira apareçam. 

publicado por castromaisverde às 08:55
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007

Microgeração uma oportunidade de cidadania

Olá hoje aqui fica mais uma ideia para um Castro Mais Verde.

 

Foi recentemente aprovado em concelho de ministros o decreto-lei que nos permite como cidadãos individuais ser produtores consumidores de energia utilizando fontes renováveis .

O novo decreto-lei vai abranger a micro-geração através de fontes renováveis, incluindo a solar, biomassa, bombas geotérmicas e mini-eólicas , assim como a micro-cogeração , com produção de electricidade e calor. A nova legislação justifica-se também, para o secretário de Estado, porque apesar de estar previsto um regime especial de acesso à rede eléctrica «o número de projectos licenciados no país não teve expressão até agora».

 

Do ponto de vista da Estratégia Nacional para a Energia, esta acção legislativa visa dar um impulso decisivo à produção de electricidade através de micro unidades, descentralizando a produção deste vector energético. Do ponto de vista do Programa de Simplificação Administrativa e Legislativa, visa-se, sobretudo, simplificar o processo de licenciamento da micro-produção , torná-lo economicamente mais aliciante, reunindo num só diploma todo o quadro legal referente à actividade de micro-produção de electricidade, garantindo a sua coerência interna, tornando-o mais transparente para os agentes económicos envolvidos.

Em concreto, este diploma prevê que a electricidade produzida se destine predominantemente a consumo próprio, sendo o excedente passível de ser entregue a terceiros ou à rede pública, com o limite de 150 kW de potência no caso da entrega ser efectuada à rede pública.

É criado o Sistema de Registo da Micro-Produção SRM ), que constitui uma plataforma electrónica de interacção com os produtores, no qual todo o relacionamento com a administração necessário para exercer a actividade de micro-produtor poderá ser realizado.

No domínio particular do licenciamento, o antigo processo moroso e burocrático é substituído por um mero acto de registo num sistema designado por Sistema de Registo de Micro-Produção SRM ), permitindo, assim, que qualquer entidade que disponha de um contrato de compra de electricidade em baixa tensão se possa transformar num micro-produtor .

É, ainda, previsto um regime simplificado de facturação e de relacionamento comercial, evitando a emissão de facturas e acertos de IVA pelos particulares, que para esse efeito são substituídos pelos comercializadores. O micro-produtor recebe ou paga através de uma única transacção, pelo valor líquido dos recebimentos relativos à electricidade produzida e dos pagamentos relativos à electricidade consumida.

Embora estes sistemas de micro geração tenham um custo de instalação com algum significado, pela informação disponível e uma vez que se tratam de fontes de energia renováveis o KW vendido é subvencionado apresentando assim um período de retorno relativamente curso do valor investido.

 

Seguramente é uma boa iniciativa para um Portugal mais verde....

publicado por castromaisverde às 21:20
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Outubro de 2007

Combate à corrupção é prioridade para Partido Comunista chinês

Olá, tendo eu já estado na China, sigo sempre com interesse as noticias daquele pais, aqui fica uma noticia retirada da EURONEWS .

 

Link:http :/ www.euronews.net /index.php?page=info&article=448383&lng=6

 

"Combate à corrupção é prioridade para Partido Comunista chinês Em Pequim, na abertura do VII congresso do Partido Comunista chinês, que vai durar uma semana, o presidente Hu Jintao definiu a estratégia para os próximos 5 anos. O partido comunista vai continuar a monopolizar o poder na China e o combate à corrupção é uma das prioridades. Hu Jintao disse que "algumas secções estão fracas e desorganizadas e que alguns membros do partido e dirigentes não se comportam correctamente. Extravagância e corrupção continuam a ser grandes problemas", concluiu. No seu discurso, Hu Jintao lançou um convite a Taiwan para a assinatura de um acordo de paz com base no princípio de que existe apenas uma China e a ilha Formosa faz parte dela. O governo de Taiwan respondeu ao referir que o povo taiwanês dificilmente se colocará ao lado de um governo que oprime o Tibete, mata os próprios cidadãos e apoia a junta militar da Birmânia. "

 

Trabalho regularmente com empresas chinesas, fui cordialmente recebido por varios membros do partido quer em recepções oficiais quer em empresas.

Em proximos blogs publicarei algumas historias interessantes dos tempos que passei na China em Macau e em Hong Kong.

 

Mas  porque tenho boa memoria, tenho sempre que recordar Tiananmen....

publicado por castromaisverde às 14:42
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 16 de Outubro de 2007

Recolha selectiva de embalagens PET uma oportunidade de cidadania

Olá aqui fica mais uma oportunidade de tornar melhor o nosso ambiente.

A recolha e separação de embalagens de plástico transparente PET.

A resolução dos principais problemas ambientais do Concelho, nomeadamente aqueles que se prendem com a reciclagem, têm que contar com o empenho e participação de todas as faixas etárias da população. Neste sentido, a separação de embalagens de plástico transparente(PET), seguramente no futuro farão parte dos hábitos quotidianos dos cidadãos.


Para avançar com esta ideia seria necessário , incentivar as pessoas a adoptar esta pratica, implantar Petões pelo concelho, para que posteriormente se procedesse é recolha selectiva.

Os Petões, equipamentos para recolha destas embalagens seriam instalados junto de locais de grande afluência, nomeadamente escolas, centro de saúde, zonas comerciais e terminal de transportes públicos.

Espalmar, de forma a reduzir o espaço ocupado pelas embalagens, tapar, evitando o derramamento dos líquidos e depositar nos Petões para que uma embalagem já usada, dê origem a outra nova, serão seguramente gestos diários, repetidos uma e outra vez pelos habitantes do Concelho.

O concelho do Barreiro desenvolve esta prática com a colaboração de varias entidades á vários anos e com muito bons resultados.

Enquanto não dispomos dos Petões podemos recolher as tampas das garrafas e envia-las para a associação Tampa Amiga com o resultado da reciclagem destas tampas está ajudar a fornecer material ortopédico a quem mais precisa.

Viste:  http:/www.tampinhas.org

São os gestos simples que fazem a diferença, tornar um Castro mais Verde depende de todos nós.

publicado por castromaisverde às 00:36
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

Recordar Adriano

Olá, é sempre de recordar Adriano Correia de Oliveira em especial neste momento em que passam vinte e cinco anos da sua morte e se edita um CD para recordar as suas canções.  

Retirado do SAPO link http://noticias.sapo.pt/info/777713.html

"Adriano Aqui e Agora": O regresso da música de intervenção, 25 anos depois

15 de Outubro, 14:31

 

Amanhã passam vinte e cinco anos da morte de Adriano Correia de Oliveira, um dos cantores mais marcantes e simultaneamente mais esquecidos da música portuguesa. Evoluindo dos fados de Coimbra dos tempos de estudante para a música de intervenção, na sua obra contam-se algumas das palavras mais contestatárias do antigo regime, que voltam a ser celebradas através de uma nova geração de artistas. Em "Adriano Aqui e Agora - O Tributo", disco editado hoje, as suas canções surgem revisitadas e recontextualizadas por nomes tão diversos como Tim, Raquel Tavares, Miguel Guedes (Blind Zero) ou Micro Audio Waves, numa oportunidade para resgatar o músico do esquecimento generalizado.

A morte precoce de Adriano Correia de Oliveira será, talvez, o principal motivo pelo qual o seu nome não é reconhecido junto daqueles que não viveram os dias da revolução, uma vez que, ao contrário da obra de Sérgio Godinho ou José Mário Branco, a sua não teve continuidade nas últimas décadas. Margarida Pinto, dos Coldfinger, uma das artistas que participa no tributo

Foi para combater este esquecimento, ou em muitos casos desconhecimento, que a Movieplay, editora que detém os direitos da discografia, propôs a Henrique Amaro convocar catorze artistas para um álbum de tributo ao cantor. Um dos principais divulgadores da nova música que se faz por cá, o radialista da Antena 3 reuniu em "Adriano Aqui e Agora - O Tributo" músicos de gerações e estilos distintos, desde veteranos como Tim, dos Xutos & Pontapés, a estreantes como Vicente Palma, o filho de Jorge Palma que tem aqui a sua primeira gravação a solo.

Amaro é o próprio a reconhecer que o seu contacto com a obra de Adriano era escasso, tendo aproveitado a proposta para mergulhar a fundo numa discografia que só conhecia superficialmente, situação partilhada pela maioria dos artistas que participam no disco, para os quais o cantor era uma figura pouco familiar.
Depois desta experiência, encaram-no de outra forma, e Vicente Palma admira a coragem expressa nas suas letras, salientando que "cantou quando ninguém cantava", a fadista Raquel Tavares refere que "podemos retirar-lhe essa conotação política que não deixa de ser música de grande qualidade", e Shahryar Mazgani sintetiza a ideia que originou a homenagem ao dizer que "a arte vive para além das razões que a levam a ser criada". Capa do disco

De facto, se uma boa canção é aquela capaz de resultar em abordagens e contextos díspares, então as de Adriano enquadram-se nesse lote, já que funcionam nas mãos - ou vozes - de músicos cuja sonoridade está, aparentemente, muito distante daquela praticada pelo cantor.
É o caso dos Micro Audio Waves, que não prescindem do seu pronunciado travo electrónico na versão de "O Sol Préguntou à Lua", transformando uma canção popular num tema atmosférico e contemplativo sem contudo a desvirtuarem. Ou de Valete, que mesmo fugindo da linguagem hip-hop que o caracteriza oferece uma pouco canónica revisão de "Menina dos Olhos Tristes", mantendo a inquietação e angústia do original.

No extremo oposto, Sebastião Antunes, da Quadrilha, apresenta uma "Canção do Linho" assente em raízes tradicionais, onde não falta a gaita de foles, a flauta ou o bandolim, e Tim mostra-se em "Tejo que Levas as Águas" num formato mais apaziguado do que o habitual, longe dos contornos rock da sua banda. Outras recontextualizações interessantes são a da colaboração de Ana Deus, dos Três Tristes Tigres, com os Dead Combo em "Trova do Vento que Passa", talvez a canção mais emblemática de Adriano que aqui alia a expressividade singular da vocalista à guitarra e baixo astutos de Tó Trips e Pedro Gonçalves. Miguel Guedes, dos Blind Zero, um dos músicos que homenageia Adriano

Raquel Tavares liberta a alma fadista, discretamente e sem piruetas vocais, em "Cantar Para um Pastor"; Vicente Palma evidencia-se um talento a ter em conta na bela aliança entre voz e piano de "Para Rosalía"; Nuno Prata, ex-Ornatos Violeta, respira espontaneidade em "Fala do Homem Nascido", conseguindo tornar simples uma complexa diversidade instrumental; e Margarida Pinto é excelente em "Charamba", alicerçando-se em influências do fado e da electrónica numa das suas melhores interpretações, onde felizmente a sua voz não surge abafada por texturas, ao contrário do que ocorreu no mais recente disco dos Coldfinger.

Cindy Kat, Miguel Guedes (dos Blind Zero), Celina da Piedade (colaboradora de Rodrigo Leão e elemento dos Uxu Kalhus), Shahryar Mazgani e Pedro Laginha (dos Mundo Cão) são os restantes músicos que dão voz e alma ao projecto, contribuindo para que "Adriano Aqui e Agora - O Tributo" seja um disco conseguido, capaz de oferecer algo que entusiasme adeptos de estilos musicais diversificados e, de preferência, despertar-lhes a curiosidade para ouvir ou recordar os originais. Talvez assim Adriano Correia de Oliveira volte, de facto, a estar aqui e agora, vinte e cinco anos depois de um inexplicável esquecimento. "

Já tive a oportunidade de ouvir, é um grande trabalho discografico.

publicado por castromaisverde às 19:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Reaproveitamento de Oleos Alimentares uma Oportunidade de Cidadania

Olá aqui fica mais uma interessante opção ambiental a recolha e o reaproveitamento de óleos alimentares para fins industriais .

 

Todos nós directa ou indirectamente utilizamos óleos alimentares depois da sua utilização na maior parte das vezes são despejados no esgoto, este é o pior destino a dar a este resíduo .

Minimizar este dano consiste em depois da sua utilização fecha-lo numa garrafa e ai vai para aterro, o que também não é uma boa opção, o destino correcto é a sua recolha e reaproveitamento para fins industriais, como por exemplo o biodisel ou o sabão.

 

Seria muito interessante desenvolver em Castro Verde um projecto de recolha e valorização dos óleos alimentares com a participação de operadores licenciados ou com um empresa multimunicipal.

 

Sendo tão grande a nossa dependência dos combustíveis fosseis é de uma grande irresponsabilidade contaminar os esgotos com óleos alimentares enquanto resíduo , desperdiçando o seu potencial energético.

 

Alguns municípios como Sintra distribuíram pelo concelho o Oleão , pontos de recolha de óleos alimentares usados.

Pelo que conseguimos apurar já existem alguns municípios com projectos ou ideias nesta área de valorização dos resíduos entre outros: Sintra, Seixal, Coimbra, Oeiras.

Na pratica de valorização de resíduos toda a comunidade tem que ser envolvida desde, as associações ambientais, ás escolas, aos grandes utilizadores até ao cidadão individual.

Deixo aqui algumas ideia para que se perceba a dimensão do dano que estamos a falar.

“1 litro de óleo alimentar usado contamina 1 milhão de litros de água…”

        Os óleos de fritar usados, tal como os óleos de automóvel usados, quando lançados no meio ambiente (redes de esgotos, solo, meio hídrico) provocam problemas de poluição das águas e solos. E mesmo sendo considerado um resíduo não perigoso, devido a oxidar em maior ou menor grau ao ar, os óleos, quando lançados nas redes de drenagem de águas residuais, poluem os meios receptores hídricos e obstruem os filtros de gorduras existentes nas ETAR’S (Estações de Tratamento de Águas Residuais), sendo assim um obstáculo ao seu bom funcionamento. Mesmo assim, o principal destino dos óleos alimentares usados em Portugal, tem sido o envio para a rede de esgotos.

        São produzidos anualmente em Portugal cerca de 125 mil toneladas de resíduos de óleos alimentares, dos quais apenas cerca de 3000 são recolhidos. Estes últimos têm sido utilizados para o fabrico de sabão, massa consistente lubrificante e rações para animais. Estas rações são prejudiciais para a saúde pública, uma vez que introduzem na cadeia alimentar humana diversos compostos tóxicos e mesmo cancerígenos, através de animais engordados por este tipo de produtos.

        O biodiesel é um combustível obtido a partir dos óleos alimentares usados, que quando reciclado para obter um derivado, serve como combustível em mistura com o gasóleo (proporções de 5 a 30 % de biodiesel para 95 a 70% de gasóleo).

O engenheiro Rudolf Diesel já em 1911 escreveu; “Ignora-se em geral que é possível usar directamente, óleos animais e vegetais em motores Diesel. Em 1900 a sociedade Otto levou à Exposição Universal de Paris um pequeno motor Diesel que trabalhava com óleo de amendoim, funcionando tão bem que poucos visitantes se apercebiam da substituição [Vaitilingom, 1983].

Aqui fica explicada de uma forma sucinta uma ideia ambiental para o nosso concelho quem quiser saber mais visite:

 

      A utilização de óleos vegetais como combustíveis não é, portanto, uma ideia nova. Vários trabalhos foram efectuados no passado e muitos outros estão sendo desenvolvidos actualmente nesta área. Convém, no entanto distinguir dois períodos:

    -    Um primeiro período até 1950, altura em que a industria petrolífera iniciou um rápido desenvolvimento com abandono das pesquisas nesta área;

    -    Um segundo período após 1973, em que estas pesquisas ganharam um novo impulso e actualidade devido às crises petrolíferas.

    -    Nos dias de hoje devido ao reconhecimento dos perigos ambientais da utilização dos produtos derivados do petróleo e pelas consequências que o aquecimento global tem e virá a ter no futuro do clima do planeta.

    -    Também devido à mudança do cenário político, a independência energética em relação aos países produtores de petróleo e às multinacionais de produtos petrolíferos são um objectivo essencial para a paz.

Aqui fica de forma resumida a presentação de uma ideia para um Castro mais Verde, quem quiser conhecre mais visite:

http://students.fct.unl.pt/~asm13771/Projecto_oleo/oleo_biodiesel.htm

http://pwp.netcabo.pt/ana_sfm/default.htm

publicado por castromaisverde às 08:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Boa tarde

. Tradicionais Festas em Sa...

. Sr. Presidente devolva o ...

. Festejos do Foral de Cast...

. Por cá....

. Na reserva mas de olho!

. Castromaisverde vai fazer...

. Matemática Politica em Ca...

. Caeiros renuncia ao manda...

. PS adianta trabalho para ...

.arquivos

. Julho 2013

. Agosto 2011

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Julho 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitantes

cocheshoteles nicaraguaClasificadosmascotasteta

.Visitantes Online

online

.Relógio

blogs SAPO

.subscrever feeds